(19) 98180-8430 contato@fontecomunicacao.com.br
+0 - 0  by /0 comments

O que fazer para diminuir o consumo de energia dos eletrodomésticos?

Consumidor deve adotar pequenas mudanças no dia a dia e ter cuidado na hora da compra do produto 

 O aumento dos valores da conta de luz levou muitas famílias a procurarem alternativas para economizar. Uma boa pedida é começar diminuindo os gastos com o uso dos eletrodomésticos. Além de verificar se o produto possui o Selo Procel e avaliar a Etiqueta da Eficiência Energética do Programa Brasileiro de Etiquetagem na hora da compra, o consumidor também deve levar em conta que é possível economizar fazendo bom uso dos aparelhos.

O Selo Procel é um produto desenvolvido e concedido pelo Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. O selo foi criado com o objetivo de orientar o consumidor no ato da compra, indicando os produtos que apresentam os melhores níveis de eficiência energética dentro de cada categoria.

Já a Etiqueta de Eficiência Energética indica a avaliação energética dos produtos, calculada a partir do seu nível de eficácia em relação à quantidade de energia que consome. Na prática, elas mostram quanta energia a geladeira gasta para gelar, o fogão (medido pelo consumo de gás) para cozinhar e a lâmpada para iluminar, por exemplo.

Por isso, antes de adquirir o produto,é importante verificar a letra que indica a sua eficiência energética. Por exemplo, um produto com a etiqueta com a letra A é mais eficiente que um com a letra C.

“Ficando atento a essas informações na hora da compra, além de contribuir para o consumo sustentável de energia, o consumidor também irá economizar na conta de luz”, afirma Kelly Costa, Gerente de Marketing da Mabe. A gerente ressalta que todos todos refrigeradores Continental possuem classificação energética A. 

Depois de fazer a escolha certa do produto, o consumidor pode adquirir alguns hábitos que irão ajudar a diminuir o consumo de energia. A geladeira, por exemplo, pode ser uma grande vilã se não tiver uma boa classificação na Etiqueta de Eficiência Energética e não for utilizada corretamente.

Segundo a Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL), esse é o segundo equipamento que mais consome energia em uma residência, ficando atrás apenas do chuveiro. Ela contribui com 25 a 30% do valor da conta de luz.

Para quem não possui um modelo de refrigerador frost free, é importante descongelá-loregularmente, pois a crosta de gelo aumenta o consumo energético. Além disso, o ideal é instalá-la em local bem ventilado, sem encostá-la na parede ou em móveis.

Outra dica é deixar a temperatura ajustada entre a 2ª e 3ª posição. Para conservar pequena quantidade de alimentos, economizar energia durante viagens e no inverno a temperatura pode ficar entre a 1ª e 2ª posição.

Também é importante nunca utilizar a parte traseira da geladeira para secar panos ou roupas e não guardar alimentos quentes para não exigir um esforço, maior que o habitual, do motor.

Outra dica é juntar tudo o que precisa ser armazenado e abrir o refrigerador apenas uma vez.  Levar em conta as necessidades da família na hora de escolher o modelo do equipamento também é um item importante para economizar.

“Os eletrodomésticos podem otimizar ou prejudicar o consumo de uma residência. Isso vai depender da escolha certa na hora de comprar o produto e de mudanças simples no dia a dia das famílias. É importante o consumidor ficar atento para não levar um susto na hora de pagar a conta”, finaliza a Gerente.

SOBRE A CONTINENTAL

Fundada em 1954, a em todo território nacional. Com uma linha completa de refrigeradores, fogões Continental é reconhecida pela qualidade de seus eletrodomésticos que são comercializados e distribuídos, cooktops e fornos, a Continental busca levar modernidade, design e confiança a seus consumidores, sem deixar de lado seu comprometimento com a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente. Os produtos da Continental são certificados pelo seu baixo consumo de energia, com destaque para os refrigeradores, que fazem uso do gás R-600a, que não agride a camada de ozônio nem contribuem com o efeito estufa.

  Post comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *